O Médio Oriente está a ficar sem água

O Médio Oriente está a ficar sem água e algumas partes ficarão rapidamente inabitáveis
 
As balsas e barcos que transportavam turistas no lago Urmia, no Irão, de e para as suas ilhotas estão agora enferrujados, incapazes de se mover, naquela que está rapidamente a tornar-se uma planície de sal.
Apenas duas décadas atrás, o lago Urmia era o maior lago do Médio Oriente, a sua economia local prosperava tendo até um centro turístico com hotéis e restaurantes.
O desaparecimento do Lago Urmia foi rápido. O seu tamanho caiu para mais da metade – de 5.400 quilómetros quadrados (2.085 milhas quadradas) na década de 1990 para apenas 2.500 quilómetros quadrados (965 milhas quadradas) hoje – de acordo com o Departamento de Proteção Ambiental do Oeste do Azerbaijão, uma das províncias iranianas onde o lago está localizado.
Agora existem reais preocupações de que o lago desapareça completamente.
Este é apenas um dos problemas que são comuns em muitas partes do Oriente Médio – onde a água simplesmente está a desaparecer.
A região tem testemunhado secas persistentes e temperaturas tão altas que mal se adaptam à vida humana.
Acrescente-se as mudanças climáticas à má gestão, ao uso excessivo da água e as projeções para o futuro da água nesta região são sombrias.
Alguns países do Oriente Médio, incluindo Irão, Iraque e Jordânia, estão bombeando grandes quantidades de água do solo para irrigação.
Ao mesmo tempo toda a região regista uma diminuição acentuada das chuvas.
Tanto o declínio das chuvas quanto o aumento da demanda nesses países causa o seca muitos rios, lagos e pântanos.
As consequências de a água se tornar ainda mais escassa são terríveis:
vastas áreas podem tornar-se inabitáveis;
aumentam as tensões sobre a partilha e gestão dos recursos hídricos;
a economia fica abalada e gera violência política.
Prevê-se que os invernos do Oriente Médio ficarão mais secos à medida que o mundo aquece e, embora os verões sejam mais húmidos, o calor deve compensar seus ganhos de água, de acordo com as últimas projeções de cientistas publicadas no início deste mês pelo Painel Intergovernamental para o Clima, da ONU.
Na Jordânia, um dos países com maior stress hídrico do mundo, as pessoas já se acostumaram a viver com muito pouca água.
Um estudo publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences mostrou que este país terá que reduzir para metade o seu uso per capita de água até o final do século. A maioria dos habitantes viverá com 40 litros por dia, para todas as suas necessidades – beber, tomar banho e lavar roupa e loiça, por exemplo.
O americano médio hoje usa cerca de 10 vezes esse valor.
Níveis de stress hídrico em 2030 (projeção mais otimista)
A Jordânia tem pouca escolha a não ser comprar grandes quantidades de água a Israel, que tem um enorme programa de dessalinização, no qual remove o sal da água do mar para torná-la própria para consumo humano. Mas a dessalinização é um processo que consome muita energia – energia que ainda não é verde e renovável e só contribui ainda mais para o aquecimento global, um dos principais impulsionadores da escassez de água em primeiro lugar.
Como o clima continua a aquecer e a água escasseia, parte da solução no Médio Oriente terá de envolver a redução do uso de água na agricultura.
Isso também pode significar mudar o tipo de alimentos que os produtores cultivam e exportam.
As mudanças e tensões serão inevitáveis. Será necessário adaptar, dentro do possível, para mitigar os danos.

Mochilas de Emergência

0
Waterlight, a luz que vem da águaOs animais conseguem prever terremotos?